Bicicleta de Montanha rota recomendada

Centro Cyclin'Portugal da Serra do Açor - Coja (P33 - Vermelho)

Bicicleta de Montanha
Responsável por este conteúdo:
Aldeias do Xisto Parceiro verificado  Escolha dos Exploradores 
  • Centro de BTT da Serra do Açor
    / Centro de BTT da Serra do Açor
    Foto: Agnelo Quelhas, Aldeias do Xisto
  • / Centro de BTT da Serra do Açor
    Foto: Agnelo Quelhas, Aldeias do Xisto
  • / Centro de BTT da Serra do Açor
    Foto: Agnelo Quelhas, Aldeias do Xisto
  • / Centro de BTT da Serra do Açor
    Foto: Agnelo Quelhas, Aldeias do Xisto
  • / Centro de BTT da Serra do Açor
    Foto: Agnelo Quelhas, Aldeias do Xisto
  • / Centro de BTT da Serra do Açor
    Foto: Agnelo Quelhas, Aldeias do Xisto
  • / Aldeia do Xisto da Benfeita
    Foto: Aldeias do Xisto, Aldeias do Xisto
  • / Aldeia do Xisto da Benfeita
    Foto: Aldeias do Xisto, Aldeias do Xisto
m 700 600 500 400 300 200 100 40 35 30 25 20 15 10 5 km
Com cerca de 40km, este é um percurso de nível muito difícil que desafia a resistência dos participantes, levando-os a diversos locais de interesse natural e patrimonial.
moderado
Distância 40,6 km
2:30 h
1 537 m
1 537 m
O percurso segue, na fase inicial, juntamente com o percurso verde e azul, as ruas de Coja, a Ponte Romana e Parque do Vale, iniciando os pisos de terra batida através do Aeródromo e da zona das antigas indústrias cerâmicas. Aqui abandona o percurso verde, prosseguindo ao longo do vale do Rio Alva, em direção à ponte em Barril de Alva e a Vila Cova de Alva. Atravessadas as ruas seculares segue-se, em direção a este e depois para sul, ao longo do vale da Ribeira do Porto de Avô, subindo-o em direção a Anceriz e descendo posteriormente para Portelinha e Pomares. Aqui é iniciada a subida da serra em direção à zona do alto do Carvalhal, nas cotas entre os 500m e os 600m, culminando com uma subida íngreme até à antiga EN344. A partir deste local, inicia-se uma descida longa por antigos trilhos para o vale da Ribeira da Mata da Margaraça, por antigos trilhos até Benfeita. Atravessada esta localidade continua-se por caminhos e trilhos, num constante sobe e desce ao longo do vale da Ribeira da Mata da Margaraça, pela zona agrícola de Dreia, até Pisão, onde reencontra o trilho azul. Continuando, ao longo da Ribeira da Mata da Margaraça, até à Senhora da Ribeira, o percurso faz a travessia da ribeira, reencontrando o percurso verde e seguindo o trilho agrícola até ao final, no Parque do Prado.

Conselho do autor

Descubra a Serra do Açor, visite as Aldeias do Xisto de Benfeita e Vila Cova do Alva e passeie na Mata da Margaraça, uma relíquia da floresta portuguesa. Reserve o seu alojamento, experiência e refeição em Book in Xisto.  

Foto do perfil de Aldeias do Xisto
Autor
Aldeias do Xisto
Atualizado: 19.05.2021
Dificuldade
moderado
Condição
Experiência
Ponto mais alto
684 m
Ponto mais baixo
179 m

Informação de segurança

- Planeie antecipadamente o seu passeio

- Tenha atenção à possibilidade de cruzamento com veículos motorizados nos caminhos públicos sinalizados

- Respeite a utilização dos trilhos por razões ambientais ou de manutenção

- Aconselhável uso de GPS

 

Contactos Úteis

SOS Emergência: 112

SOS Floresta: 117

Câmara Municipal de Arganil: (+351) 235 200 150

Aldeias do Xisto: (+351) 275 037 393 | (+351) 960 101 873

Dicas e sugestões

Pertencente ao concelho de Arganil, Coja tem um interessante património que vale a pena conhecer. A Igreja Matriz de São Miguel, as Capelas de Santo António, do Senhor do Sepulcro, de Nossa Senhora da Ribeira e da Casa do Prior Costa, o Pelourinho em estilo manuelino ou a senhorial Casa da Praça são paragens obrigatórias.

Banhada pelo rio Alva, em Coja encontra ainda uma praia fluvial onde o sossego e a tranquilidade estão à sua espera. A Serra do Açor - a quinta mais alta de Portugal continental - constitui o quadrante norte do território das Aldeias do Xisto, assegurando a continuidade da Cordilheira Central, a partir da Serra da Estrela. Aqui encontramos a Paisagem Protegida da Serra do Açor e o Sítio de Importância Comunitária Complexo do Açor composto por quatro espaços distintos: a Mata da Margaraça; o Fajão; o Cebola; e o São Pedro do Açor.

Aqui ocorre o limite Sul da área de distribuição de uma planta rara: o narciso. É nesta serra que a Trepadeira-dos-muros tem aparecido nos invernos dos últimos anos. E é esta a serra que alberga mais de metade da população mundial de uma espécie arbórea, o Azereiro que tem na Mata da Margaraça a maior população mundial da espécie concentrada num só local.

Início

40.266461° / -7.987934° (178 m)
Coordenadas:
GD
40.266634, -7.987988
GMS
40°15'59.9"N 7°59'16.8"W
UTM
29T 586048 4457842
w3w 
///perdoou.lobistas.fazemos

Destino

40.266461°; -7.987934°

Instruções

O percurso percorre na fase inicial, em conjunto com o percurso verde e azul, algumas ruas estreitas de Côja, em direção à Ponte Romana onde inicia o périplo por pisos de terra batida, em direção ao Parque do Vale. Nesta fase o percurso segue pelo limite do perímetro urbano de Côja em direção ao Aeródromo e à zona das antigas indústrias cerâmicas onde abandona o percurso verde e segue em conjunto com o percurso azul para norte, sempre em caminhos de terra batida. Deste o local o percurso contorna o Aeródromo a norte e segue ao longo do vale do Rio Alva, na interface da zona agrícola e florestal, até à ponte de pedra sobre o Rio Alva, em Barril de Alva. Posteriormente é feita uma travessia em alcatrão de 0,13km, tomando de seguida à esquerda um caminho em terra batida em direção a Vila Cova de Alva, localidade que é abordada através de um trilho com enquadramento cénico sobre o Rio Alva extremamente interessante. Neste aglomerado são percorridas algumas das suas estreitas ruas seculares, separando-se aqui do percurso azul. Posteriormente o percurso segue em direção a este (E) através de uma travessia de 0,4km de alcatrão, deixando-o à saída de Vila Cova de Alva a partir de um caminho agrícola à direita. A partir desta zona é efetuado um longo encadeamento de caminhos florestais ao longo do vale da Ribeira do Porto de Avô, subindo-o em direção ao aglomerado de Anceriz, atravessando-o na sua zona antiga por ruas em calçada e pedra, junto à igreja matriz, seguindo a subida em direção a sul até à zona alta desta antiga freguesia. Posteriormente o caminho desce em direção a Portelinha por uma estrada florestal, entrado na vale da Ribeira de Pomares onde toma um trilho agrícolas até essa localidade, atravessando-a em direção ao parque de campismo, praia fluvial e ponte romana de Pomares. Junto à ponte é seguida uma rua pedonal estreita, junto ao um corrimão de madeira longo até à saída de Pomares, onde é iniciada uma subida com a extensão de 2,7km, com zonas de inclinação íngreme, intercaladas com algumas zonas planas, para sul. No final da subida é contornado o alto do Carvalhal, numa cota entre os 500m e os 600m, com a direção sudeste (SE), terminando com uma subida íngreme até junto à antiga EN344. A partir desta zona é iniciada uma descida longa em direção ao vale da Ribeira da Mata da Margaraça, praticamente até junto a esta linha de água, seguindo-a por trilhos antigos até à localidade de Benfeita, abordando-a pela zona alta, junto à antiga escola, descendo as suas ruas até à piscina fluvial. À saída de Benfeita é atravessado um troço de 1,0km em alcatrão, seguindo à direita após esta distância, por caminhos e trilhos florestais, num constante sobe desce ao longo do Vale da Ribeira da Mata da Margaraça, pela zona de “Teixogueira”, zona agrícola de Dreia, “Fonte da Pipa”, até ao aglomerado de Pisão, onde se reencontra com o trilho verde e azul. A travessia desta localidade é efetuada através das ruas antigas, passando pela igreja, em direção à área agrícola pelo caminho para Casal Mourão e Vale de Carro. A partir desta zona o percurso segue sempre o sentido da Ribeira da Mata da Margaraça através de caminhos agrícolas e um troço de 0,25km de alcatrão até à Senhora da Ribeira, onde é efetuada a travessia da Ribeira através de uma ponte pedonal, seguindo um trilho agrícola até ao fim, no Parque do Prado.

Nota


Todas as ocorrências para esta Rota

Coordenadas

GD
40.266634, -7.987988
GMS
40°15'59.9"N 7°59'16.8"W
UTM
29T 586048 4457842
w3w 
///perdoou.lobistas.fazemos
Chegada por comboio, carro, a pé ou bicicleta

Equipamento

Equipamento Básico

  • Capacete de ciclismo
  • Luvas de ciclismo
  • Calçado resistente, confortável e de preferência impermeável
  • Roupas em camadas, que absorvem a umidade
  • Mochila, com capa de chuva
  • Proteção contra sol, chuva e vento (chapéu, filtro solar, jaqueta impermeável e corta-vento / guarda-chuva)
  • Óculos de sol
  • Quantidade suficiente de água potável e lanches
  • Celular
  • Dinheiro
  • Equipamento de navegação / mapa e bússola

Equipamento Técnico para Bicicleta de Montanha

  • Bomba de ar ou bomba de CO2 incluindo cartuchos
  • Kit para reparo de furos
  • Câmara de ar extra
  • Desmonta pneus
  • Ferramentas para corrente
  • Chaves hexadecimais
  • Suporte para celular / dispositivo, conforme necessário
  • Cadeado para bicicleta, conforme necessário
  • Quando aplicável, a bicicleta deve atender aos requisitos para uso em estradas, ter uma campainha, luzes dianteiras e traseiras, e refletores
  • As listas de equipamento 'básico' e 'técnico' são geradas com base na atividade selecionada. Elas não são exaustivas e servem apenas de sugestão.
  • Para sua segurança, leia atentamente as instruções de utilização e manutenção do seu equipamento.
  • Certifique-se de que o seu equipamento cumpre as leis locais e não inclui artigos restritos.

Perguntas & Respostas

Faça a primeira pergunta

Aqui você pode fazer perguntas para o autor.


Avaliações

Escreva sua primeira avaliação

Seja o primeiro a avaliar e ajude outros usuários


Fotos da Comunidade


Dificuldade
moderado
Distância
40,6 km
Duração
2:30 h
Elevação
1 537 m
Declive
1 537 m

Estatísticas

  • Conteúdo
  • Exibir imagens Ocultar imagens
Funções
2D 3D
Mapas e trilhas
Duração : horas
Distância  km
Elevação  m
Declive  m
Ponto mais alto  m
Ponto mais baixo  m
Mova as setas para alterar o recorte.