BTT de Longa Distância rota recomendada

A Caminho do Tejo [GR33 - GRZ: BTT Setor 9]

BTT de Longa Distância
Responsável por este conteúdo:
Aldeias do Xisto Parceiro verificado  Escolha dos Exploradores 
  • A Caminho do Tejo: Centro Ciência Viva de Constância > Constância [GR33 - GRZ: Etapa 8]
    / A Caminho do Tejo: Centro Ciência Viva de Constância > Constância [GR33 - GRZ: Etapa 8]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Centro Ciência Viva de Constância > Constância [GR33 - GRZ: Etapa 8]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Martinchel > Centro Ciência Viva de Constância [GR33 - GRZ: Etapa 7]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Martinchel > Centro Ciência Viva de Constância [GR33 - GRZ: Etapa 7]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Martinchel > Centro Ciência Viva de Constância [GR33 - GRZ: Etapa 7]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Aldeia do Mato - Martinchel [GR33 - GRZ: Etapa 6]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Aldeia do Mato - Martinchel [GR33 - GRZ: Etapa 6]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Área de Descanso da Cabeça Gorda > Aldeia do Mato [GR33 - GRZ: Etapa 5]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Área de Descanso da Cabeça Gorda > Aldeia do Mato [GR33 - GRZ: Etapa 5]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / Área de Descanso da Cabeça Gorda
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Área de Descanso do Souto > Área de Descanso da Cabeça Gorda [GR33 - GRZ: Etapa 4]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Área de Descanso do Souto > Área de Descanso da Cabeça Gorda [GR33 - GRZ: Etapa 4]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Fontes > Área de Descanso do Souto [GR33 - GRZ: Etapa 3]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Fontes > Área de Descanso do Souto [GR33 - GRZ: Etapa 3]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Matagosa > Fontes [GR33 - GRZ: Etapa 2]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Matagosa > Fontes [GR33 - GRZ: Etapa 2]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Penedo Furado > Matagosa [GR33 - GRZ: Etapa 1]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Penedo Furado > Matagosa [GR33 - GRZ: Etapa 1]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
  • / A Caminho do Tejo: Penedo Furado > Matagosa [GR33 - GRZ: Etapa 1]
    Foto: Diogo Martins, Aldeias do Xisto
m 400 300 200 100 50 40 30 20 10 km Praia Fluvial de Penedo Furado Miradouro das Fontes Observatório Astronómico … Constância
A Caminho do Tejo é o 9.º e último setor da Grande Rota do Zêzere. 
moderado
Distância 50,2 km
4:50 h
933 m
1 078 m
Com 54,7km de extensão, vai do Penedo Furado, em Vila de Rei, até Constância, no concelho de Abrantes, passando por Matagosa, Fontes, Área de Descanso do Souto, Área de Descanso da Cabeça Gorda, Aldeia do Mato, Aldeia do Mato, Martinchel e Centro Ciência Viva de Constância.

Conselho do autor

Visite a Aldeia do Xisto de Água Formosa. Aprecie a flora e fauna que habitam nesta região.

Reserve a sua estadia, experiência e refeição em Book in Xisto.

 

Resultados da Auditoria RESPONSIBLE TRAILS:

(Última auditoria em Julho de 2020)

 

Sinalização > 3 - Falta sinalização em pelo menos um cruzamento que compromete a orientação sem mapa ou GPS

Conservação dos caminhos > 4 - Em bom estado de conservação geral mas com zonas pontuais de maior atenção

Conservação geral > 3 - Degradação pontual mas sem impactos negativos na experiência

Estruturas informativas > 4 - Bem mantidas e com interesse

Estruturas interpretativas > 1 - Inexistentes ou sem o mínimo de qualidade e/ou inúteis

Estruturas de apoio e segurança > 4 - Estruturas essenciais bem mantidas

Interação com comunidade > 5 - Forte ligação à comunidade onde se insere e estimulo da interação

Integração na paisagem > 5 - Perfeitamente integrado na paisagem, explorando pontos de interesse relevantes

Segurança geral > 4 - Apresenta situações pontuais de baixo risco

Foto do perfil de Aldeias do Xisto
Autor
Aldeias do Xisto
Atualizado: 23.07.2021
Dificuldade
moderado
Técnica
Condição
Experiência
Paisagem
Ponto mais alto
296 m
Ponto mais baixo
20 m
Melhor época do ano
jan
fev
mar
abr
mai
jun
jul
ago
set
out
nov
dez

Possibilidade de pausa para descanço

Praia Fluvial de Penedo Furado
Miradouro das Fontes
Passadiços do Penedo Furado
Observatório Astronómico - Centro Ciência Viva de Constância

Informação de segurança

Atenção ao calor no verão e ao piso escorregadio no inverno. Os níveis de dificuldade e tempos apresentados são apenas indicativos. Foram calculados numa base de esforço físico e não contemplam paragens. Faça a sua estimativa analisando os dados técnicos do troço a percorrer.

 

Recomanda-se a utilização de Gps ou App, pois existem alguns cruzamentos sem sinalização.

 

Contactos Úteis:

SOS Emergência: 112

SOS Floresta: 117

Câmara Municipal de Vila de Rei:(+351) 274 890 010,  
Câmara Municipal de Abrantes: (+351) 241 330 100, 
Câmara Municipal de Constância: (+351) 249 730 050,  

Dicas e sugestões

Numa elevação virada para o Zêzere, surge a freguesia de Aldeia do Mato. No passado, as principais fontes de rendimento foram o azeite e o pinhal, mas a construção da Barragem de Castelo de Bode levou ao desaparecimento dos campos de oliveiras mais produtivos. Hoje predomina a exploração florestal. Pode apreciar a fauna e flora existentes através de alguns passeios pedestres e avistar variadíssima avifauna característica da região, da qual salientamos o raro noitibó-de-nuca-vermelha e a cegonha branca. Os acessos pedestres à albufeira fazem-se por Carreira do Mato, Cabeça Gorda, Bairro Fundeiro, Aldeia do Mato e Vale Manso. Em Cabeça Gorda e no Bairro Fundeiro poderá encontrar zonas de banho.

O Penedo Furado é a estância balnear mais procurada do concelho de Vila de Rei. Na zona mais elevada, existe um rochedo gigantesco com uma enorme abertura de feitio afunilado, que dá nome à praia, e onde foi criado o Miradouro do Penedo Furado. Dali é possível admirar a magnífica paisagem de serras e montes revestidos de pinhais, a ribeira do Codes, a albufeira da Barragem do Castelo do Bode e algumas povoações limítrofes. A Bicha Pintada, localizada abaixo do miradouro do Penedo Furado, é um fóssil que, segundo alguns estudiosos, tem mais de 480 milhões de anos. Próximo deste local encontra-se o Miradouro das Fragas do Rabadão, onde se inicia um trilho confluente com o trilho do miradouro anterior, com ligação à Bicha Pintada. Aqui há também ligação com o Trilho das Bufareiras e com o percurso pedestre linear Rota das Conheiras, que faz a ligação à Aldeia do Xisto de Água Formosa. Nas proximidades, existem diversas conheiras, amontoados de seixos rolados resultantes de escavações a céu aberto de exploração mineira de ouro aluvionar pelos Romanos. 

Na Matagosa, prepare-se para desfrutar de paisagens exuberantes e do património natural existente. Este é o único local dentro da freguesia com acesso à albufeira de Castelo do Bode, através do ancoradouro flutuante instalado para apoio aos veraneantes. 

Perto do local onde hoje se encontra o Miradouro do Cristo Rei, antigamente denominado Pico do Castelo, foram encontrados vestígios cerâmicos que atestam uma ocupação humana nos períodos do Calcolítico ao bronze e tardo-romano ou visigótico. Localiza-se precisamente na confluência dos concelhos de Abrantes, Vila de Rei e Sardoal, na margem esquerda da Ribeira do Codes, um afluente do Zêzere. Aqui é possível desfrutar de paisagens exuberantes e do património natural existente, destacando-se alguns exemplares de carvalho cerquinho, o pinheiro bravo, o eucalipto, o tojo e a urze. É o único local dentro da freguesia com acesso à albufeira de Castelo do Bode, através do ancoradouro flutuante instalado para apoio aos veraneantes. Por toda a freguesia é possível saborear a sopa de pão com grão, os bolos da boca do forno, as broas dos santos e a bola de lêvedo. No artesanato, destacam-se as bonecas de trapo, os bonecos regionais, as rodilhas, os tapetes e as flores de pé-de-meia. 

Apesar de ser uma freguesia recente, Fontes regista no seu território uma presença humana que remonta ao período calcolítico. Banhada na sua totalidade pela albufeira de Castelo de Bode, ostenta um ecossistema rico, resultante da diversificada vegetação existente (pinheiro bravo, eucalipto, medronheiro, urze, oliveiras, entre outras espécies arbóreas). Dada a riqueza natural da região, a exploração florestal e o corte, transporte e comércio de madeiras é uma das atividades económicas mais importantes, assim como a agricultura e a carpintaria. A construção da Barragem hidroelétrica de Castelo do Bode (1951) fez inundar núcleos humanos e terras cultiváveis, o que condicionou a fixação das populações e a sua sustentabilidade. Em contrapartida, facilitou a fruição da paisagem e o acesso às águas do Zêzere. 

O Souto é um verdadeiro paraíso natural, envolto por pinhais, com um ecossistema rico resultante da variada vegetação e das excelentes condições de desenvolvimento de espécies piscícolas. 

A Área de Descanso da Cabeça Gorda localiza-se no serpentear do curso do rio Zêzere e é banhada pela Albufeira de Castelo de Bode. Oferece paisagens sobre montes e espelhos de água de inigualável beleza. O acesso pedestre à albufeira pode fazer-se por aqui, podendo usufruir da zona balnear, um local de recreio e lazer por excelência com potencialidades para a prática da pesca. A fauna selvagem local constitui um valor ecológico de indiscutível importância. Nesta região podemos encontrar a Lebre e o Coelho-bravo, a Raposa, o Saca-rabos e o Javali. De entre as aves sedentárias existentes podemos observar a Perdiz-vermelha, o Gaio, a Pega-rabuda, a Gralha-preta, o Corvo-marinho-de-faces-brancas, a Águia-calçada e a Águia-de-asa-redonda, assim como outras aves migradoras. Nesta zona subsiste também a diversidade florística, destacando-se os matos xerófitos (tojais, urzais, sargaçais). 

Numa elevação virada para o Zêzere, surge a freguesia de Aldeia do Mato. No passado, as principais fontes de rendimento foram o azeite e o pinhal, mas a construção da Barragem de Castelo de Bode levou ao desaparecimento dos campos de oliveiras mais produtivos. Hoje predomina a exploração florestal. Pode apreciar a fauna e flora existentes através de alguns passeios pedestres e avistar variadíssima avifauna característica da região, da qual salientamos o raro noitibó-de-nuca-vermelha e a cegonha branca. Os acessos pedestres à albufeira fazem-se por Carreira do Mato, Cabeça Gorda, Bairro Fundeiro, Aldeia do Mato e Vale Manso. Em Cabeça Gorda e no Bairro Fundeiro poderá encontrar zonas de banho. 

A freguesia de Martinchel desenvolveu-se sobretudo devido à construção da Barragem de Castelo de Bode. No século XIX, por ocasião das invasões francesas, supõe-se que o comandante francês Junot terá passado por esta aldeia quando se dirigia para Lisboa. Como tradições permanecem o cantar dos reis, a matança do porco, as vindimas e a apanha da azeitona. No artesanato, realçam-se os Ovos Bordados, trabalho que consiste na decoração de ovos, previamente esvaziados. Depois de revestidos com lã ou linha de cores vivas, que formavam losangos e pompons na ponta, eram aplicados em pegas, que serviam de elemento decorativo nas paredes das casas de Martinchel. Na gastronomia destacam-se os Bolos de Ferradura e os pratos confecionados à base de cabrito, borrego e peixe do rio: sopa de sável, caldeirada de barbo, fataça na telha e arroz de lampreia. 

Conhecida como Vila Poema, Constância acolheu grandes figuras das letras nacionais, de Luís Camões a Vasco de Lima Couto e a Alexandre O'Neill. Aqui esteve também, fugindo da peste, o rei D. Sebastião que a fez vila e criou o concelho em 1571. Por aqui passou a rainha D. Maria II que lhe mudou o nome de Punhete para Notável Vila da Constância, em 1836. Aqui encontra um rico e diversificado património construído, de que se destacam as igrejas Matriz e da Misericórdia, o pelourinho, o Miradouro do Tempo e várias casas de habitação particulares erigidas durante os últimos três séculos. Importante é igualmente o património natural do concelho, que compreende os rios e terras de campo e de charneca que proporcionam paisagens de invulgar beleza, ar puro e possibilidade de desenvolver inúmeras e diversificadas atividades. O Centro Ciência Viva, o Museu dos Rios e das Artes Marítimas, o Parque Ambiental de Santa Margarida e o Borboletário Tropical são também pontos de interesse a visitar.

Início

Penedo Furado Lat.: 39° 37' 33.6"" NLong.: 8° 9' 43.344"" W " (165 m)
Coordenadas:
GD
39.624978, -8.159342
GMS
39°37'29.9"N 8°09'33.6"W
UTM
29S 572149 4386472
w3w 
///esgar.substituídos.tribais

Destino

Constância

Instruções

Após deixar o Penedo Furado, no concelho de Vila de Rei, a GRZ percorre um troço da antiga EN2 que leva à travessia de uma ponte sobre a Ribeira de Codes. Poucas centenas de metros depois, o percurso entra à direita em caminho florestal. Uma pronunciada subida conduz ao local de indicação de um miradouro e Leitor de Paisagem que aconselhamos visitar. Os últimos 2 km deste troço decorrem alternadamente em caminhos florestais e asfalto, até se atingir a povoação da Matagosa. Na Matagosa, prepare-se para desfrutar de paisagens exuberantes e do património natural existente. Este é o único local dentro da freguesia com acesso à albufeira de Castelo do Bode, através do ancoradouro flutuante instalado para apoio aos veraneantes. 

À chegada à povoação de Água das Casas, o percurso deixa a proximidade com a água e entra numa pequena levada à esquerda que conduz a um parque de merendas. Após desembocar numa larga estrada de terra batida, irá manter-se nessa via durante cerca de 2km. Abandonada esta e percorridas poucas centenas de metros, surge o atravessamento de uma estrada. Os largos caminhos de terra, que agora a rota volta a percorrer, conduzem à povoação de Fontes. 

Em Fontes, o percurso inicia com uma longa descida que conduz à povoação de Sentieiras. Virando à esquerda, os 1000 metros seguintes, com vistas magníficas para vales e para a barragem situada à direita, são percorridos na berma da estrada até ao lugar de Atalaia. Aqui, o percurso entra em caminhos florestais, os quais após cerca de 4km conduzem às imediações da povoação de Souto, onde encontra a Área de Descanso. 

Partindo do Souto, após 700 metros, a GRZ volta a entrar em estrada asfaltada e, após idêntica distância nesta via, chega a Bioucas. Após passagens estreitas entre casas e muros de hortas, deixamos esta povoação. Por entre plantações de pinheiro manso, árvores de fruto, como figueiras e cerejeiras, vinhas e campos de cultivo, ora em estrada ora em caminhos florestais, o percurso passa pelas povoações de Carregal e Carreira do Mato, para aceder à Área de Descanso próxima da Cabeça Gorda. 

Após passar a Cabeça Gorda e percorridos 1000 metros atravessando plantações de pinheiro manso, árvores de fruto, como figueiras e cerejeiras, vinhas e campos de cultivo, atinge-se o lugar do Bairro Cimeiro. A partir daqui, a GRZ segue na berma da estrada. Após a passagem pelos Bairros e percorridos cerca de 3km ao longo dos braços da albufeira de Castelo de Bode, é atingida a localidade da Aldeia do Mato. 

Este troço inicia-se com a descida até ao nível das águas da barragem de Castelo de Bode. Após passar a 300 metros da Praia Fluvial da Aldeia do Mato, local onde se situa uma estação intermodal, o percurso inicia uma subida em estrada larga de terra até atingir um ponto elevado à direita, novamente sobre as águas da albufeira. A descida que se segue conduz à estalagem de Vale Manso. Entrando em asfalto o percurso chega, após cerca de 2km, à povoação de Martinchel. 

Dois quilómetros após deixar Martinchel, o percurso cruza uma estrada e entra numa intricada rede de caminhos caracterizada pelo “saltitar” de povoação em povoação. Após uma longa descida, a GRZ volta a encontrar a estrada, a qual abandona quase de imediato para se afastar do rio e iniciar uma subida que conduz ao lugar de Casal da Serra. Os 1600 metros seguintes deste troço levam o percurso à Ribeira do Carvalho. O troço final de idêntica distância decorre em subida, numa intrincada rede de caminhos florestais em que predomina o eucalipto. 

A Grande Rota do Zêzere termina no Centro Ciência Viva, localizado a cerca de 5 km de Constância.

Nota


Todas as ocorrências para esta Rota

Coordenadas

GD
39.624978, -8.159342
GMS
39°37'29.9"N 8°09'33.6"W
UTM
29S 572149 4386472
w3w 
///esgar.substituídos.tribais
Chegada por comboio, carro, a pé ou bicicleta

Perguntas & Respostas

Faça a primeira pergunta

Aqui você pode fazer perguntas para o autor.


Avaliações

Escreva sua primeira avaliação

Seja o primeiro a avaliar e ajude outros usuários


Fotos da Comunidade


Dificuldade
moderado
Distância
50,2 km
Duração
4:50 h
Elevação
933 m
Declive
1 078 m
Percurso de etapas

Estatísticas

  • Conteúdo
  • Exibir imagens Ocultar imagens
Funções
2D 3D
Mapas e trilhas
Duração : horas
Distância  km
Elevação  m
Declive  m
Ponto mais alto  m
Ponto mais baixo  m
Mova as setas para alterar o recorte.